Home / Noticias / Maquinas agrícolas: mercado em recuperação no final de 2020

Maquinas agrícolas: mercado em recuperação no final de 2020

Os registros no ano caíram para quase todos os tipos de veículos, mesmo que os números finais pareçam menos negativos do que o esperado. O forte aumento das vendas nos últimos dois meses do ano permitiu compensar parcialmente o colapso registrado entre março e maio devido à primeira onda pandêmica e ao bloqueio.

 

2020 fecha no vermelho para o mercado de máquinas agrícolas, mas com pequenas perdas. A emergência sanitária afetou os investimentos para aquisição de veículos novos e, portanto, as vendas estão diminuindo para tratores, colheitadeiras e reboques, enquanto permanecem parados para tratores com plataforma de carga (veículos multiuso off-road).

Os dados de matrículas – processados ​​pela FederUnacoma com base nas matrículas fornecidas pelo Ministério dos Transportes – indicam ao final do ano uma redução de 3,4% para tratores em relação a 2019, com 17.944 unidades; as colheitadeiras tiveram queda de 2,6% com 302 unidades e as carretas fecharam com perda de 12,1% com um total de 7.862 unidades. Os registros de tratores com plataforma de carga estão perfeitamente em linha com o de 2019, que fechou com 564 unidades, apenas uma a mais que em 2019, com variação de 0,2%. A única categoria que registou aumento de registos foram os manipuladores telescópicos, o que confirmou a tendência positiva dos últimos anos – em parte devido à flexibilidade de utilização que os torna úteis para um vasto leque de funções – assinalando um aumento de 6,3% (956 unidades )

 

“As retrações registradas no mercado nacional – comenta o presidente da FederUnacoma Alessandro Malavolti – agravam a situação de um setor que há muitos anos vê uma queda constante na demanda por tratores novos e veículos mecânicos, em benefício das máquinas usadas que costumam fazer não oferecem garantias de eficiência e compatibilidade ambiental ”. “No entanto, acrescenta Malavolti – o resultado para 2020 corria o risco de ser muito pior, pois na primeira metade do ano, e principalmente durante o bloqueio nos meses de primavera, as vendas desabaram, levando a perdas mais expressivas”. “Uma boa recuperação veio na última parte do ano – conclui o presidente da FederUnacoma – e isso melhorou o saldo final”.

 

A análise dos dados mensais mostra recuperações muito fortes nos últimos dois meses: os registros de tratores marcaram um salto de 38,5% em novembro em relação ao mesmo mês de 2019, e um novo crescimento de 38% em dezembro, permitindo uma recuperação em volumes de vendas e, portanto, uma redução nas perdas; os tratores com plataforma de carga registraram um crescimento de mais de 43% em novembro e quase 38% em dezembro, o que ajudou – conforme mencionado – a atingir os mesmos totais do ano anterior; reboques recuperaram pontos percentuais graças aos aumentos de 6% em novembro e 20% em dezembro, enquanto o crescimento das colheitadeiras é ainda mais evidente (em torno de 200% nos últimos dois meses), ainda que para um número muito pequeno de unidades, e portanto não muito significativo do ponto de vista estatístico.

 

Por último, o resultado positivo alcançado no segmento de manipuladores telescópicos também se deve em grande parte à evolução das vendas nos últimos dois meses (+ 81% e + 25% respectivamente). O aumento das inscrições ao final de 2020 – observa FederUnacoma – pode ser um sinal de recuperação para os primeiros meses do novo ano, também dada a renovação do crédito tributário para 2021. No entanto, a tendência do mercado segue dependente dos efeitos da a pandemia, que volta a surgir e que continua a pesar como um sério fator desconhecido nos setores produtivos. No entanto, dentro da tendência geral – observa FederUnacoma – podem ser notadas tendências diferentes de região para região, em parte devido aos mecanismos locais de financiamento para a compra de máquinas e às condições das fazendas em diferentes contextos. No balanço do final do ano, algumas regiões importantes sofreram queda nas vendas de tratores maior do que a média nacional (Emilia Romagna -34,3%, Lombardia -8,9%, Veneto -9,7%), enquanto outras Regiões, entre as de maior peso na mercado de máquinas agrícolas, mesmo com aumentos expressivos (Piemonte + 24,6%, Puglia + 9,1%, Sicília + 5,5%).

 

Check Also

Digital Agro Connection divulga as startups vencedoras

Após seleção, startups farão a implantação dos projetos tecnológicos na Frísia Cooperativa Agroindustrial e em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.