Home / Destaque / Michelin inicia a produção de pneus agrícolas no Brasil

Michelin inicia a produção de pneus agrícolas no Brasil

  • Com a nova linha de produção, a Michelin tem como meta consolidar sua liderança no mercado radial

Apostando fortemente na radialização dos pneus agrícolas como uma das principais alavancas de desenvolvimento do setor, a Michelin instalou uma unidade de produção exclusiva para pneus radiais agrícolas, na sua fábrica em Campo Grande, no Rio de Janeiro. A empresa busca oferecer ao agricultor um produto de alta durabilidade, capaz de reduzir a compactação do solo e economizar combustível. A empresa acredita nos pneus radiais como o futuro da agricultura brasileira e mundial, uma solução inteligente para completar a evolução e os benefícios da mecanização no agronegócio.

Emmanuel Ladent_Diretor Mundial da Divisão Agrícola da Michelin (1)“Conforme dados levantados pela empresa, apenas cerca de 6% dos pneus agrícolas vendidos no Brasil são radiais, enquanto que na Europa esse número chega a 87%. Apostando neste potencial, a Michelin tem como meta consolidar sua liderança no mercado brasileiro de pneus radiais agrícolas, contribuindo de forma significativa para esse avanço”, afirma Emmanuel Ladent, Diretor Mundial da Divisão Agrícola da Michelin.

 

A INSTALAÇÃO DA UNIDADE DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA:

Michelin Campo Grande

 

A Michelin acredita e investe no Brasil. Atenta às necessidades do mercado nacional e às demandas dos clientes dos diversos ramos de atividades do agronegócio, a empresa reforça a sua presença no país, onde está presente industrialmente há mais de 30 anos, e anuncia a produção de pneus agrícolas em sua unidade fabril de Campo Grande, no Rio de Janeiro.

 

 

“O Brasil, país com a maior extensão de terras aráveis no mundo, apesar de ter evoluído significativamente na competitividade do setor agrícola, tem o desafio de progredir de forma expressiva nos próximos anos. A oferta de pneus agrícolas com a tecnologia de ponta MICHELIN vem para contribuir, de forma significativa, para a produtividade da agricultura nacional, responsável hoje por 23% do PIB brasileiro”, explica Nour Bouhassoun, presidente da Michelin na América do Sul.

Nour Bouhassoun_Presidente da Michelin na América do Sul (1)O executivo destaca a importância do agronegócio, um dos principais eixos do desenvolvimento econômico sustentável, para alavancar a economia do país, uma vez que garante a produção de mais alimentos, aumenta a fixação do homem no campo e promove a geração de emprego e renda. “Considerando que o pneu é o elo entre a máquina agrícola e o solo, é possível atribuir a ele uma série de resultados positivos relacionados à produção e à rentabilidade da lavoura”, enfatiza.

 

 PRODUZIR MAIS E MELHOR EM PROL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Atualmente, os agricultores se deparam com um desafio em comum: maximizar sua produtividade e reduzir os custos operacionais. Atendendo à esta demanda, além da tecnologia MICHELIN Radial, a Michelin levará à sua linha de produção agrícola no Brasil, a tecnologia MICHELIN Ultraflex.

Logo Tecnologia MICHELIN Ultraflex

Esta inovação que trabalha sob baixa pressão, e consequentemente compacta menos o solo com melhor rendimento, responde a um duplo desafio do mercado: melhorar a produtividade, acompanhando a evolução do maquinário agrícola, ao mesmo tempo em que contribui para a preservação do meio ambiente, protegendo solos e economizando combustível.

“Ao iniciar a fabricação de pneus agrícolas na América do Sul, a Michelin tem o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de uma produção agrícola com a preservação máxima do solo. Um dos maiores desafios deste século é garantir a oferta de alimentos para as mais de 8,5 bilhões de pessoas que deverão habitar o mundo no futuro, preservando os recursos naturais do planeta”, explica Bouhassoun.

Segundo um estudo independente realizado pela universidade britânica Harper Adams, o aumento de produtividade de uma lavoura é de 4% quando todas as máquinas envolvidas na produção têm os pneus radiais substituídos por pneus com a tecnologia MICHELIN Ultraflex IF (Increased Flexion) e VF (Very High Flexion).

Christian Mendonça_Diretor de Comércio e Marketing de Pneus Agrícolas da Michelin América do Sul (2)De acordo com Christian Mendonça, Diretor de Comércio e Marketing de Pneus Agrícolas da Michelin América do Sul, “se trouxermos este estudo para a realidade brasileira, podemos dizer que um produtor de 2.000ha consegue uma produtividade média de soja de 3.120 kg/ha (52 sacas/ha). Com este aumento de 4% na sua produtividade, considerando o preço da saca de 60 kg de soja a R$ 80,00 (*), há um ganho real de mais de R$ 320.000,00 por safra”.

(*) cotação média do mês no MT (Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – Imea).


 

PNEUS RADIAIS DE ALTA TECNOLOGIA MICHELIN  PRODUZIDOS NO BRASIL

 

MICHELIN CARGOXBIB (1)

MICHELIN CargoxBib – Destinado aos veículos de transporte de cana-de-açúcar e carretas agrícolas. Sua estrutura é imbatível em comparação à resistência de rolagem, capacidade de carga e proteção do solo, com todos os atributos de alto desempenho de uma carcaça radial, transportando cargas pesadas em baixas pressões e/ou em alta velocidade.

 

 

MICHELIN MACHXBIBMICHELIN MachxBib – Destinado a tratores de alta potência, proporciona economia de combustível e tração (transferência de torque). Ideal para carregar grandes cargas sob pressões ultrabaixas. Com uma carcaça extramacia e ombros arredondados, o pneu oferece proteção vital do solo durante a preparação, o plantio e o tratamento. Já a banda de rodagem plana e estável se distribui uniformemente por toda a carcaça, o que auxilia a pulverizar a pressão e a reduzir a compactação do solo.

 

 

 

MICHELIN AXIOBIB

 

MICHELIN AxioBib – Desenvolvido para máquinas agrícolas de forte potência, de mais de 250 cv, oferece melhor tração e menor resistência à rodagem. Isto significa, para o cliente, um ganho de produtividade: tempo trabalhado e economia de combustível. É o único pneu com a denominação IF (Increased Flexion – que em português significa “Flexão Aumentada” ou “Maior Flexão”), estabelecida pela Tire and Rim Association dos Estados Unidos.

 

Check Also

AGCO investiu R$ 50 milhões em novo centro de distribuição de peças em Jundiaí (SP)

Multinacional otimiza a operação de reposição, aumentando a qualidade e a agilidade na entrega dos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *